مرحبـاً Selamat Datang Welcome Bienvenue Добро пожаловать Bienvenidos Sejam Bem-vindos

terça-feira, julho 28

UMA GRANDE MENTIRA



Na Palestina, os cristãos estão quase extintos em conseqüência do controle que os extremistas muçulmanos têm sobre a questão palestina e da marginalização dos cristãos, sem mencionar o impacto negativo da intifada [revolta dos palestinos contra Israel] – que é dirigida pelas organizações islâmicas – sobre os cristãos da Palestina.

ISLÃ NÃO É RELIGIÃO DE FANÁTICOS - (Os líderes católicos estão querendo fazer uma média com os muçulmanos?) SÓ PODE!!!!!!


Veneza, 27 jul (RV) - "O Islã é uma religião de paz e não de guerra, muito menos de violências. Precisamos aprender a ver os muçulmanos como pessoas religiosas, e não como fundamentalistas fanáticos": a declaração é do Cardeal Theodore Sarr, arcebispo de Dacar, e foi feita em uma pequena cidade do norte italiano, Conegliano Veneto, enquanto celebrava uma missa para católicos senegaleses, imigrados.

Da cerimônia participaram também muitos muçulmanos. Após a missa, o cardeal almoçou com os africanos, e conversaram sobre assuntos de interesse comum, como a crise econômica, especialmente.

"No Senegal, as relações entre muçulmanos, que são maioria, e católicos, minoritários, são pacíficas, de reconhecimento e respeito recíproco. Existe um anseio de compreensão mútua, pois, sem isso, seria impossível viver juntos. Espero que o mesmo aconteça na Itália" – disse o Cardeal Theodore Sarr.

"Quando a fé é bem vivida, ajuda os homens a não se dividirem, mas a se amarem. Somos todos filhos do mesmo Deus; o Pai não quer que nos ofendamos" − acrescentou.

Frisando que os muçulmanos não podem ser considerados simplesmente como extremistas, o arcebispo ponderou que "devem aprender a respeitar o modo de viver, as religiões e as leis do país do qual são hospedes".

Em relação à luta contra a clandestinidade, o cardeal disse não concordar com a lei italiana, que a pune como um crime.

Dirigindo-se aos italianos, lembrou que eles também foram imigrantes, e muitas vezes, irregulares. "O verdadeiro meio para contrastar a imigração clandestina é ajudar os países de origem a combaterem a fome e a promoverem o desenvolvimento" − sublinhou.

Nesse sentido, o Cardeal Theodore Sarr afirmou que "a recente cúpula do G8 admitiu que muitos compromissos não foram cumpridos e que, agora, é preciso agir, sem se esquecer que, no passado, Europa e Ocidente exploraram desmedidamente os recursos africanos". (CM)

O QUE DIZER DA NIGÉRIA?

Igreja destruída no norte da Nigéria


NIGÉRIA - Os ataques à comunidade cristã em Bauchi, Nigéria, continuam apesar do toque de recolher. Pelo menos 11 pessoas foram mortas e mais de 1.500 ficaram desabrigadas, enquanto 14 igrejas, 8 paróquias, um mosteiro e inúmeras casas de cristãos foram demolidos durante um fim de semana violento em sete bairros muçulmanos de Bauchi.

SITUAÇÃO ASSUSTADORA
Perseguição dos cristãos nos países muçulmanos

Colunista iraquiano afirma: "É difícil lembrar um período em que os árabes cristãos estiveram em maior perigo do que hoje".

Num artigo no jornal iraquiano Al-Zaman, publicado simultaneamente em Londres e Bagdá, cuja linha editorial é independente e liberal desde a década de 1940, o colunista Majid Aziza dá destaque à situação da população árabe cristã no mundo muçulmano. A seguir, alguns trechos do artigo:[1]
Na Palestina, os cristãos estão quase extintos em conseqüência do controle que os extremistas muçulmanos têm sobre a questão palestina e da marginalização dos cristãos, sem mencionar o impacto negativo da intifada [revolta dos palestinos contra Israel] – que é dirigida pelas organizações islâmicas – sobre os cristãos da Palestina.

"Os cristãos nascidos em países árabes estão fugindo das suas regiões de origem. Hoje em dia, essa informação é divulgada em todo o mundo e é cem por cento verdadeira. As estatísticas mostram que um grande número de cristãos árabes está emigrando para lugares menos perigosos para eles e seus filhos, como Estados Unidos, Canadá, Austrália e Europa. Os motivos são, por um lado, a perseguição que os órgãos governamentais movem contra eles e, por outro lado, os grupos extremistas...

Os cristãos têm vivido há séculos nas regiões conhecidas atualmente como países árabes, juntamente com outros grupos religiosos e, principalmente, com os muçulmanos que participaram com eles das aflições da vida. Mas os cristãos perderam o apoio de seus concidadãos islâmicos por muitas razões, inclusive pelo extremismo religioso entre alguns muçulmanos, pelo aumento da população [islâmica] por motivos religiosos, pelos atos de discriminação, coerção e expulsões individuais e coletivas de cristãos e pelas pressões que os cristãos vinham sofrendo até mesmo quando estavam servindo a seus países. Há muitos exemplos disso na Palestina, no Iraque, no Sudão, no Líbano, no Egito e em outras nações.

Aproximadamente 4 milhões de cristãos libaneses emigraram de seu país em conseqüência das pressões impostas pelos [muçulmanos]. Mais ou menos meio milhão de cristãos iraquianos deixaram seu país pelos mesmos motivos... Hoje a situação está ficando pior por causa da discriminação por parte dos extremistas muçulmanos salafitas. Na Palestina, os cristãos estão quase extintos em conseqüência do controle que os extremistas muçulmanos têm sobre a questão palestina e da marginalização dos cristãos, sem mencionar o impacto negativo da intifada [revolta dos palestinos contra Israel] – que é dirigida pelas organizações islâmicas – sobre os cristãos da Palestina. Com relação aos cristãos coptas do Egito, o que o governo e os muçulmanos fizeram e estão fazendo com eles daria para encher páginas e páginas de livros e jornais, explicando os atos de coerção, discriminação e perseguição. O que está acontecendo também com os cristãos na Argélia, Mauritânia, Somália e outros países é um problema que ocuparia espaço demais para ser explicado.

Essa situação ocorre igualmente nos países muçulmanos não-árabes. Em nações islâmicas como o Paquistão, a Indonésia e a Nigéria, os cristãos também sofrem perseguição. No Paquistão, os líderes muçulmanos decretaram uma fatwa [decisão religiosa] permitindo a matança de dois cristãos para cada muçulmano morto pelos ataques americanos no Afeganistão, como se os americanos representassem o Cristianismo no mundo. Em outros países os cristãos vivem com medo, sob a sombra de ameaças, e enfrentam uma crescente série de agressões toda vez que os Estados Unidos e seus aliados executam uma operação militar contra qualquer país [muçulmano].

Os cristãos têm medo do que lhes poderia acontecer nesses países. A situação é muito grave e requer atenção urgente. É difícil imaginarmos qualquer outro tempo em que os cristãos enfrentaram maior perigo do que atualmente nesses países..." (extraído de www.memri.org)

Diante dessa situação assustadora para os cristãos no mundo islâmico, é realmente estranho que muitas igrejas ocidentais insistam em reclamar apenas das "dificuldades" dos cristãos palestinos sob a "ocupação" israelense, como se não soubessem que Israel é a única democracia no Oriente Médio. (Ingo Haake - http://www.beth-shalom.com.br)

Depois falam que só os negros e os gays são discriminados...

Evangélicos lamentam não ter sido ouvidos e receiam que tudo fique na mesma

De João Pinheiro de Almeida (LUSA) – Há 7 horas

Lisboa, 28 Jul (Lusa) - A Aliança Evangélica Portuguesa (AEP) lamentou hoje nunca ter sido contactada sobre a assistência religiosa nos hospitais, prisões e forças armadas e de segurança e duvida que alguma coisa mude com a nova regulamentação, "continuando a discriminação".

"Nunca fomos auscultados nem ninguém nos contactou para darmos a nossa opinião na fase de preparação do regulamento. A impressão que temos é que se mantêm os privilégios da Igreja Católica, não existe igualdade de tratamento", disse à Lusa o pastor Samuel Pinheiro, porta-voz da AEP.

A Lusa noticiou segunda-feira que a Igreja Católica e o Estado chegaram a acordo sobre a assistência religiosa nos hospitais, prisões, forças armadas e de segurança, matéria por regular da Concordata de 2004, sendo que a regulamentação será aplicada a todas as confissões religiosas, respeitando a Lei de Liberdade Religiosa e a laicidade do Estado.

© 2009 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.

sábado, julho 25

SUGESTÕES PARA QUEM TRABALHA COM MISSÕES

Secretaria de Missões da 2ª IPI de Machado
A Igreja só pode dar alguma resposta positiva, se ela for motivada, portanto, é responsabilidade da Secretaria de Missões, promover esse sentimento na Igreja:
Sendo: Perseverante, Criativa e Apaixonada pelo que faz.
SUGESTÕES DE ATIVIDADES:

• Tirar Xerox de um calendário e dar para cada membro da Secretaria, marcado o dia de cada reunião ao mês.
• Fazer lembrancinhas para os missionários.
• Preparar um chá missionário após o culto de missões, com vários cartazes espalhados pelo salão, ou bandeiras.
• Trazer um Missionário para dar uma Palestra.
• Celebrar o Dia de Missões com um almoço com pratos típicos de algum país.
• Comprar o Livro “Até aos Confins da Terra”, o Filme da Missão Portas Abertas – O Livro Proibido.
• Enviar um membro para participar de um Congresso de Missões que esteja para ocorrer no país.
• Fazer uma viagem ao Campo Missionário: ( Missão Caiuá, etc).
• Comprar um mapa Mundi inflável, para o culto de Missões.
• Promover um evento em uma rua fechada para evangelismo, com teatro, música, filme, sopão etc
• Fazer uma caixa-presente, para a família do Missionário.
• Confeccionar baners para pendurar nas colunas da Igreja.
• Confeccionar um imã missionário.
• Promover o “Dia do Vizinho da Igreja” , com visitas, lembrancinhas, um prato com alguma coisa bem gostosa para a família.
• Mandar notícias da Igreja para o missionário: boletim,carta, desenhos das crianças, uma revista, um livro etc
• Ligar para o missionário pessoalmente.
• Ir visitar o missionário no campo.
• Promover um macarrão missionário.
• Apresentar um teatro
• Ler testemunhos durante o culto.
• Promover uma “Aurora com o Senhor” . Ver o nascer do sol em oração no monte.
• Fazer uma entrevista com missionário, gravar e passar na igreja.
• Providenciar um meio de arrumar versículos em outra língua para apresentar no culto de missões.
• Ter atividades extras de Evangelismo
• Ter um painel a cada 3 meses.
• Apresentação por crianças, de cânticos, teatro, etc
• Chamar o pastor para estar presente na reunião, pelo menos, 2 vezes por ano.
• Procurar saber a situação real dos missionários.
• Providenciar o INSS do missionário ajudado.
• Providenciar um mural de fotos.

sexta-feira, julho 3

A MÁSCARA DE ROCKY

“E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar.” Hebreus 4:13 ...


Rocky tatuou o rosto e logo depois todo o corpo. Dessa maneira pretendia mudar de personalidade e chocar as pessoas. No entanto, por trás da máscara havia um homem solitário e desesperado. Ele começou a perambolar de cidade em cidade, de grupo em grupo, nunca encontrando a verdadeira amizade, pois as pessoas só se interessavam por ele durante um momento, atraídas pelas tatuagens.
Já com certa idade, teve um encontro com Jesus Cristo. Achou nEle seu Salvador e foi completamente transformado. Embora conservasse sua pele tatuada, interiormente era uma pessoas diferente. Falava a todos sobre Aquele que o buscou ee o achou; Aqueleque o libertou do medo e da solidão, o desmascarou, o desarmou e satisfez sua imensa necessidade de um Salvador.
Rocky disse:"Frequentemente nossa vida faz com que máscaras nos pareçam necessárias. Mas Deus olha através dessas máscaras. Não precisamos colocar uma para falar com Ele".
Máscaras de felicidade, de honradez, de humildade, de cinismo, de hipocrisia, de santidade, de religião, de idéias anti-Deus... Mil rostos, mil aparências! Talvez para se proteger ou para se impor; você passa a criar para os outros uma imagem que não corresponde à realidade: quem sabe a de uma pessoa alegre, que na verdade é triste; ou de alguém seguro de si, mas que interiormente é cheia de temores. TIRE A MÁSCARA! Deus conheçe e ama você como você é; Ele entregou o Filho dEle por pessoas como você e eu. O Senhor Jesus morreu na cruz para nos perdoar e nos dar uma nova vida.

Tire a sua maquiagem diante do Senhor, pois Ele sabe exatamente como você se sente e o que é. Incobrir nossas fraquezas não resolve nossos problemas interiores. Abrir o coração, numa atitude de humildade e quebrantamento é a melhor forma de vencermos a nós mesmos. Seja orajoso e arrisue-se nesta jornada de fé. Você certamente será mais que vencedor.


Do Jeito de Deus...

Em novembro de 1987, o furacão Nina tomou a direção das planícies centrais das Filipinas, Fiquei muito alarmada porque nossos campos de arroz estão localizados ali. Novembro é o mês de colheita, e estávamos contando o dinheiro da safra para pagar um grande compromisso financeiro. Orei sinceramente a Deus para que ele salvasse a nossa safra mudando a direção da tempestade. O furacão atingiu diretamente as planícies centrais. Nas reportagens da televisão eu vi vários hectares de campos de arroz debaixo d'água ou cobertos de lama, casas e árvores derrubadas. Fiquei muito triste, mas não perguntei a Deus porque minhas orações não tinham sido respondidas. Ao invés disso, agradeci a Deus pelos outros recursos que surgiriam para nos ajudar. Pouco depois da tempestade, fomos checar nossa plantação . Ao nos aproximarmos de nossa fazenda, vi talos de arroz com grãos dourados ainda de pé. Eu não podia acreditar. Nossos arrendatários nos receberam com rostos alegres. Perguntei-lhes: "O furacão não passou por aqui? ".
"Oh, sim senhora", disseram, "mas ele não destruiu nossas plantações nem derrubou nossas casas. Nossos campos de arroz são mais altos que os das fazendas vizinhas, por isso não foram inundadas quando o rio transbordou ". Compreendi que quando oramos pedindo ajuda, não precisamos dizer a Deus como nos ajudar. Ele encontrará um meio de prover para nós. Deus tem caminhos que nossas mentes humanas não podem compreender.

Joaquina Pajaro - Filipinas
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

FIQUE POR DENTRO