مرحبـاً Selamat Datang Welcome Bienvenue Добро пожаловать Bienvenidos Sejam Bem-vindos

segunda-feira, outubro 27

500 ANOS DE VITÓRIA SOBRE O DOMÍNIO CATÓLICO ROMANO

31 DE OUTUBRO - Marco extraordinário da História.

LUTERO - Homem que Deus levantou para restaurar a sua igreja.
Lutero revoltou-se com todo o "mercado" que a igreja fazia vendendo indulgências para construir seus templos, entre outros abusos. A partir de então lançou as bases da Reforma. Em 31 de outubro de 1517 ele fixou 95 teses na porta da igreja de Wittemberg, seguindo um costume medieval, e deu início a um movimento de reavaliação. As bases da Reforma lançadas por Lutero são três: 1) Só a Escritura (sola scriptura) - Defendia a autoridade das Escrituras, do texto bíblico, em questões de fé, acima da autoridade absoluta do papa; 2) Só a graça (sola gratia) - O perdão dos pecados é dado por Jesus, mediante arrependimento e confissão e não pela compra desse perdão pelas indulgências que a igreja vendia para sustentar seu luxo; 3) Só a fé (sola fide) - O homem não é justificado pelas obras, mas pela fé em Jesus.





John Huss - queimado vivo pela "santa inquisição" Católica Romana.




CALVINO - PERSONAGEM importantíssimo da Reforma





Com um desejo ardente de trazer a verdade à luz, as seguintes teses serão defendidas em Wittenberg sob a presidência do Rev. Frei Martinho Lutero, Mestre de Artes, Mestre de Sagrada Teologia e Professor oficial da mesma. Ele, portanto, pede que todos os que não puderem estar presentes e disputar com ele verbalmente, façam-no por escrito.

Em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Amém.

AS FAMOSAS 95 TESES DE LUTERO
1. Ao dizer: "Fazei penitência", etc. [Mt 4.17], o nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo quis que toda a vida dos fiéis fosse penitência.

2. Esta penitência não pode ser entendida como penitência sacramental (isto é, da confissão e satisfação celebrada pelo ministério dos sacerdotes).

3. No entanto, ela não se refere apenas a uma penitência interior; sim, a penitência interior seria nula se, externamente, não produzisse toda sorte de mortificação da carne.

4. Por conseqüência, a pena perdura enquanto persiste o ódio de si mesmo (isto é a verdadeira penitência interior), ou seja, até a entrada do reino dos céus.

5. O papa não quer nem pode dispensar de quaisquer penas senão daquelas que impôs por decisão própria ou dos cânones.

6. O papa não tem o poder de perdoar culpa a não ser declarando ou confirmando que ela foi perdoada por Deus; ou, certamente, perdoados os casos que lhe são reservados. Se ele deixasse de observar essas limitações, a culpa permaneceria.

7. Deus não perdoa a culpa de qualquer pessoa sem, ao mesmo tempo, sujeitá-la, em tudo humilhada, ao sacerdote, seu vigário.

8. Os cânones penitenciais são impostos apenas aos vivos; segundo os mesmos cânones, nada deve ser imposto aos moribundos.

9. Por isso, o Espírito Santo nos beneficia através do papa quando este, em seus decretos, sempre exclui a circunstância da morte e da necessidade.

10. Agem mal e sem conhecimento de causa aqueles sacerdotes que reservam aos moribundos penitências canônicas para o purgatório.

11. Essa cizânia de transformar a pena canônica em pena do purgatório parece ter sido semeada enquanto os bispos certamente dormiam.

12. Antigamente se impunham as penas canônicas não depois, mas antes da absolvição, como verificação da verdadeira contrição.

13. Através da morte, os moribundos pagam tudo e já estão mortos para as leis canônicas, tendo, por direito, isenção das mesmas.

14. Saúde ou amor imperfeito no moribundo necessariamente traz consigo grande temor, e tanto mais quanto menor for o amor.

15. Este temor e horror por si sós já bastam (para não falar de outras coisas) para produzir a pena do purgatório, uma vez que estão próximos do horror do desespero.

16. Inferno, purgatório e céu parecem diferir da mesma forma que o desespero, o semidesespero e a segurança.

17. Parece necessário, para as almas no purgatório, que o horror devesse diminuir à medida que o amor crescesse.

18. Parece não ter sido provado, nem por meio de argumentos racionais nem da Escritura, que elas se encontrem fora do estado de mérito ou de crescimento no amor.

19. Também parece não ter sido provado que as almas no purgatório estejam certas de sua bem-aventurança, ao menos não todas, mesmo que nós, de nossa parte, tenhamos plena certeza disso.

20. Portanto, por remissão plena de todas as penas, o papa não entende simplesmente todas, mas somente aquelas que ele mesmo impôs.

21. Erram, portanto, os pregadores de indulgências que afirmam que a pessoa é absolvida de toda pena e salva pelas indulgências do papa.

22. Com efeito, ele não dispensa as almas no purgatório de uma única pena que, segundo os cânones, elas deveriam ter pago nesta vida.

23. Se é que se pode dar algum perdão de todas as penas a alguém, ele, certamente, só é dado aos mais perfeitos, isto é, pouquíssimos.

24. Por isso, a maior parte do povo está sendo necessariamente ludibriada por essa magnífica e indistinta promessa de absolvição da pena.

25. O mesmo poder que o papa tem sobre o purgatório de modo geral, qualquer bispo e cura tem em sua diocese e paróquia em particular.

26. O papa faz muito bem ao dar remissão às almas não pelo poder das chaves (que ele não tem), mas por meio de intercessão.

27. Pregam doutrina mundana os que dizem que, tão logo tilintar a moeda lançada na caixa, a alma sairá voando [do purgatório para o céu].

28. Certo é que, ao tilintar a moeda na caixa[1], pode aumentar o lucro e a cobiça; a intercessão da Igreja, porém, depende apenas da vontade de Deus.

29. E quem é que sabe se todas as almas no purgatório querem ser resgatadas, como na história contada a respeito de São Severino e São Pascoal?

30. Ninguém tem certeza da veracidade de sua contrição, muito menos de haver conseguido plena remissão.

31. Tão raro como quem é penitente de verdade é quem adquire autenticamente as indulgências, ou seja, é raríssimo.

32. Serão condenados em eternidade, juntamente com seus mestres, aqueles que se julgam seguros de sua salvação através de carta de indulgência.

33. Deve-se ter muita cautela com aqueles que dizem serem as indulgências do papa aquela inestimável dádiva de Deus através da qual a pessoa é reconciliada com Ele.

34. Pois aquelas graças das indulgências se referem somente às penas de satisfação sacramental, determinadas por seres humanos.

35. Os que ensinam que a contrição não é necessária para obter redenção ou indulgência, estão pregando doutrinas incompatíveis com o cristão.

36. Qualquer cristão que está verdadeiramente contrito tem remissão plena tanto da pena como da culpa, que são suas dívidas, mesmo sem uma carta de indulgência.

37. Qualquer cristão verdadeiro, vivo ou morto, participa de todos os benefícios de Cristo e da Igreja, que são dons de Deus, mesmo sem carta de indulgência.

38. Contudo, o perdão distribuído pelo papa não deve ser desprezado, pois – como disse – é uma declaração da remissão divina[2].

39. Até mesmo para os mais doutos teólogos é dificílimo exaltar simultaneamente perante o povo a liberalidade de indulgências e a verdadeira contrição.[3]

40. A verdadeira contrição procura e ama as penas, ao passo que a abundância das indulgências as afrouxa e faz odiá-las, ou pelo menos dá ocasião para tanto.[4]

41. Deve-se pregar com muita cautela sobre as indulgências apostólicas, para que o povo não as julgue erroneamente como preferíveis às demais boas obras do amor.[5]

42. Deve-se ensinar aos cristãos que não é pensamento do papa que a compra de indulgências possa, de alguma forma, ser comparada com as obras de misericórdia.

43. Deve-se ensinar aos cristãos que, dando ao pobre ou emprestando ao necessitado, procedem melhor do que se comprassem indulgências.[6]

44. Ocorre que através da obra de amor cresce o amor e a pessoa se torna melhor, ao passo que com as indulgências ela não se torna melhor, mas apenas mais livre da pena.

45. Deve-se ensinar aos cristãos que quem vê um carente e o negligencia para gastar com indulgências obtém para si não as indulgências do papa, mas a ira de Deus.

46. Deve-se ensinar aos cristãos que, se não tiverem bens em abundância, devem conservar o que é necessário para sua casa e de forma alguma desperdiçar dinheiro com indulgência.

47. Deve-se ensinar aos cristãos que a compra de indulgências é livre e não constitui obrigação.

48. Deve ensinar-se aos cristãos que, ao conceder perdões, o papa tem mais desejo (assim como tem mais necessidade) de oração devota em seu favor do que do dinheiro que se está pronto a pagar.

49. Deve-se ensinar aos cristãos que as indulgências do papa são úteis se não depositam sua confiança nelas, porém, extremamente prejudiciais se perdem o temor de Deus por causa delas.

50. Deve-se ensinar aos cristãos que, se o papa soubesse das exações dos pregadores de indulgências, preferiria reduzir a cinzas a Basílica de S. Pedro a edificá-la com a pele, a carne e os ossos de suas ovelhas.

51. Deve-se ensinar aos cristãos que o papa estaria disposto – como é seu dever – a dar do seu dinheiro àqueles muitos de quem alguns pregadores de indulgências extorquem ardilosamente o dinheiro, mesmo que para isto fosse necessário vender a Basílica de S. Pedro.

52. Vã é a confiança na salvação por meio de cartas de indulgências, mesmo que o comissário ou até mesmo o próprio papa desse sua alma como garantia pelas mesmas.

53. São inimigos de Cristo e do Papa aqueles que, por causa da pregação de indulgências, fazem calar por inteiro a palavra de Deus nas demais igrejas.

54. Ofende-se a palavra de Deus quando, em um mesmo sermão, se dedica tanto ou mais tempo às indulgências do que a ela.

55. A atitude do Papa necessariamente é: se as indulgências (que são o menos importante) são celebradas com um toque de sino, uma procissão e uma cerimônia, o Evangelho (que é o mais importante) deve ser anunciado com uma centena de sinos, procissões e cerimônias.

56. Os tesouros da Igreja, a partir dos quais o papa concede as indulgências, não são suficientemente mencionados nem conhecidos entre o povo de Cristo.

57. É evidente que eles, certamente, não são de natureza temporal, visto que muitos pregadores não os distribuem tão facilmente, mas apenas os ajuntam.

58. Eles tampouco são os méritos de Cristo e dos santos, pois estes sempre operam, sem o papa, a graça do ser humano interior e a cruz, a morte e o inferno do ser humano exterior.

59. S. Lourenço disse que os pobres da Igreja são os tesouros da mesma, empregando, no entanto, a palavra como era usada em sua época.

60. É sem temeridade que dizemos que as chaves da Igreja, que foram proporcionadas pelo mérito de Cristo, constituem estes tesouros.

61. Pois está claro que, para a remissão das penas e dos casos especiais, o poder do papa por si só é suficiente.[7]

62. O verdadeiro tesouro da Igreja é o santíssimo Evangelho da glória e da graça de Deus.

63. Mas este tesouro é certamente o mais odiado, pois faz com que os primeiros sejam os últimos.

64. Em contrapartida, o tesouro das indulgências é certamente o mais benquisto, pois faz dos últimos os primeiros.

65. Portanto, os tesouros do Evangelho são as redes com que outrora se pescavam homens possuidores de riquezas.

66. Os tesouros das indulgências, por sua vez, são as redes com que hoje se pesca a riqueza dos homens.

67. As indulgências apregoadas pelos seus vendedores como as maiores graças realmente podem ser entendidas como tais, na medida em que dão boa renda.

68. Entretanto, na verdade, elas são as graças mais ínfimas em comparação com a graça de Deus e a piedade da cruz.

69. Os bispos e curas têm a obrigação de admitir com toda a reverência os comissários de indulgências apostólicas.

70. Têm, porém, a obrigação ainda maior de observar com os dois olhos e atentar com ambos os ouvidos para que esses comissários não preguem os seus próprios sonhos em lugar do que lhes foi incumbidos pelo papa.

71. Seja excomungado e amaldiçoado quem falar contra a verdade das indulgências apostólicas.

72. Seja bendito, porém, quem ficar alerta contra a devassidão e licenciosidade das palavras de um pregador de indulgências.

73. Assim como o papa, com razão, fulmina aqueles que, de qualquer forma, procuram defraudar o comércio de indulgências,

74. muito mais deseja fulminar aqueles que, a pretexto das indulgências, procuram fraudar a santa caridade e verdade.

75. A opinião de que as indulgências papais são tão eficazes a ponto de poderem absolver um homem mesmo que tivesse violentado a mãe de Deus, caso isso fosse possível, é loucura.

76. Afirmamos, pelo contrário, que as indulgências papais não podem anular sequer o menor dos pecados venais no que se refere à sua culpa.

77. A afirmação de que nem mesmo São Pedro, caso fosse o papa atualmente, poderia conceder maiores graças é blasfêmia contra São Pedro e o Papa.

78. Dizemos contra isto que qualquer papa, mesmo São Pedro, tem maiores graças que essas, a saber, o Evangelho, as virtudes, as graças da administração (ou da cura), etc., como está escrito em I.Coríntios XII.

79. É blasfêmia dizer que a cruz com as armas do papa, insigneamente erguida, eqüivale à cruz de Cristo.

80. Terão que prestar contas os bispos, curas e teólogos que permitem que semelhantes sermões sejam difundidos entre o povo.

81. Essa licenciosa pregação de indulgências faz com que não seja fácil nem para os homens doutos defender a dignidade do papa contra calúnias ou questões, sem dúvida argutas, dos leigos.

82. Por exemplo: Por que o papa não esvazia o purgatório por causa do santíssimo amor e da extrema necessidade das almas – o que seria a mais justa de todas as causas –, se redime um número infinito de almas por causa do funestíssimo dinheiro para a construção da basílica – que é uma causa tão insignificante?

83. Do mesmo modo: Por que se mantêm as exéquias e os aniversários dos falecidos e por que ele não restitui ou permite que se recebam de volta as doações efetuadas em favor deles, visto que já não é justo orar pelos redimidos?

84. Do mesmo modo: Que nova piedade de Deus e do papa é essa que, por causa do dinheiro, permite ao ímpio e inimigo redimir uma alma piedosa e amiga de Deus, mas não a redime por causa da necessidade da mesma alma piedosa e dileta por amor gratuito?

85. Do mesmo modo: Por que os cânones penitenciais – de fato e por desuso já há muito revogados e mortos – ainda assim são redimidos com dinheiro, pela concessão de indulgências, como se ainda estivessem em pleno vigor?

86. Do mesmo modo: Por que o papa, cuja fortuna hoje é maior do que a dos ricos mais crassos, não constrói com seu próprio dinheiro ao menos esta uma basílica de São Pedro, ao invés de fazê-lo com o dinheiro dos pobres fiéis?

87. Do mesmo modo: O que é que o papa perdoa e concede àqueles que, pela contrição perfeita, têm direito à plena remissão e participação?

88. Do mesmo modo: Que benefício maior se poderia proporcionar à Igreja do que se o papa, assim como agora o faz uma vez, da mesma forma concedesse essas remissões e participações cem vezes ao dia a qualquer dos fiéis?

89. Já que, com as indulgências, o papa procura mais a salvação das almas do que o dinheiro, por que suspende as cartas e indulgências, outrora já concedidas, se são igualmente eficazes?

90. Reprimir esses argumentos muito perspicazes dos leigos somente pela força, sem refutá-los apresentando razões, significa expor a Igreja e o papa à zombaria dos inimigos e fazer os cristãos infelizes.

91. Se, portanto, as indulgências fossem pregadas em conformidade com o espírito e a opinião do papa, todas essas objeções poderiam ser facilmente respondidas e nem mesmo teriam surgido.

92. Portanto, fora com todos esses profetas que dizem ao povo de Cristo "Paz, paz!" sem que haja paz!

93. Que prosperem todos os profetas que dizem ao povo de Cristo "Cruz! Cruz!" sem que haja cruz![8]

94. Devem-se exortar os cristãos a que se esforcem por seguir a Cristo, seu cabeça, através das penas, da morte e do inferno.

95. E que confiem entrar no céu antes passando por muitas tribulações do que por meio da confiança da paz.

[1517 A.D.]

sábado, outubro 25

QUEM DIRIA....

O Papa Bento 16 afirmou nesta segunda-feira que a crise financeira mundial demonstra a futilidade do sucesso e do dinheiro, e pediu que as pessoas cimentem a vida sobre a "rocha" da palavra divina.
"A palavra de Deus, mais que qualquer outra palavra, é o fundamento de tudo, a autêntica realidade. Você se equivoca se pensa que a matéria, as coisas sólidas que podemos tocar, são a realidade mais segura", disse.

Somente a palavra [de Deus] é sólida, ela é a verdadeira realidade sobre a qual se deve fundar nossa própria vida", concluiu.

Para o passado histórico da Igreja Católica com respeito à Palavra de Deus, essa é uma declaração inédita, já que a pretensa igreja tem sido perseguidora ferrenha desta mesma "Palavra". Meu marido mesmo, tem fotos antigas de padres católicos queimando Bíblias em plena praça pública. Quanta hipocrisia!! Dá vontade de vomitar!

Eu simplesmente não entendo, como católicos romanos, citam a Bíblia, falam dela, incentivam a sua leitura, mas não lhe dão o crédito que ela merece. Teimam em mudar as Escrituras, adaptando-a a seus próprios interesses escusos.
Uma mudança não menos inescrupulosa vemos no primeiro mandamento de Deus, em Deuteronômio que diz:" Não terás outros deuses diante de mim". Não farás para ti imagem de escultura... etc etc Mudaram este mandamento para:"Amarás oa Senhor teu Deus de todo o teu coração"... Deturpam as Escrituras para a sua própria perdição. Estão menospezando a Palavra de Apocalipse:“Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro;

E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro.”



MAIS ALGUMAS OBSERVAÇÕES...

A ICR mudou a Bíblia. Em 1584, o Concílio de Trento [ainda em pleno vigor] anexou à Bíblia os livros apócrifos, os quais contêm passagens que seriam usadas a fim de justificar algumas doutrinas católicas [antibíblicas], como por exemplo, a oração em favor dos mortos (Os livros apócrifos serão discutidos no final deste capítulo).

Conservando a Bíblia em Latim – Sob o governo romano, o Latim se tornou a língua universal. Então, quando a Bíblia foi originalmente traduzida do Grego e do Hebraico para o Latim, isso a tornou mais acessível às pessoas. Contudo, após o colapso do Império Romano, o Latim passou a ser falado cada vez menos. Com o passar do tempo, somente os eruditos o entendiam e a grande maioria do povo já não falava essa língua.

A partir de 1080, houve muitos casos em que os papas, os concílios da ICR e os bispos proibiram a tradução da Bíblia na linguagem do povo comum. Aos homens e mulheres leigos foi proibido ler a Bíblia em sua própria língua, a não ser que um bispo ou um inquisidor lhos permitissem, por escrito.

Em 1517, sete pessoas foram queimadas na estaca porque estavam ensinando seus filhos a recitarem a Oração do Senhor [o Pai Nosso] em Inglês. Em 1536, William Tyndale foi queimado como herege por ter traduzido a Bíblia para o Inglês. Em 1555, Thomas Rogers e Thomas Crammer foram queimados na estaca por terem traduzido a Bíblia. Muitos homens e mulheres foram também queimados por lerem a tradução inglesa da Bíblia. Aos leigos não era permitido ler a Bíblia nem mesmo em Latim. Isso era considerado heresia e muitos homens e mulheres foram queimados na estaca por causa disso.

O povo tinha tanta fome de saber o que a Bíblia dizia que, quando finalmente uma tradução dela foi disponibilizada, multidões lotaram a igreja onde ela estava guardada. Homens faziam turnos para ler a Bíblia em voz alta. Logo que o dia clareava, esses homens liam o Livro em voz alta, enquanto as multidões escutavam.

Às voltas com o Latim – Quando me tornei católica, a missa ainda era rezada em Latim. Eu conhecia um pouco de Latim por tê-lo estudado durante três anos no colégio. Durante a missa solene, porções da Bíblia eram lidas. A Bíblia era um livro grande e enfeitado. O sacerdote a cobria de incenso, ajoelhava-se diante dela, cantando alguns versos em canto gregoriano.

A música era bonita e a cerimônia, impressionante! Contudo, eu não conseguia entender os versos que eram lidos. Com os meus três anos de Latim colegial, às vezes eu até conseguia entender uma ou outra frase ou palavra, mas isso não me possibilitava entender as passagens da Escritura... Por que Deus nos deu a Bíblia? Para que as pessoas a leiam e sejam por ela transformadas.

Traduzindo a Bíblia – A primeira tradução inglesa da Bíblia foi feita em 1382 pelos seguidores de John Wycliffe, com a sua ajuda e iluminação. Uma versão melhorada foi concluída em 1388. Os seguidores de Wycliffe eram conhecidos como “lolardos” e foram severamente perseguidos. A tradução de Wycliffe foi feita à mão, num processo demorado. A maior parte das cópias da Bíblia inglesa foi destruída.

Depois de um século e meio, em 1535, a Bíblia Tyndale/Coverdale foi publicada. William Tyndale e o Bispo Coverdale traduziram os textos dos originais grego e hebraico para o inglês. Sua Bíblia foi publicada na Alemanha, onde Tyndale havia-se refugiado. A imprensa acabava de ser inventada. Isso possibilitou Tyndale e seus seguidores a produzirem cópias da Bíblia inglesa mais depressa do que elas eram destruídas. Tyndale foi queimado na estaca.

Quarenta e sete anos mais tarde (1582), a primeira tradução católica do Novo Testamento em inglês foi publicada. A tradução católica do VT foi publicada em 1609. Essas traduções não foram feitas do original grego e hebraico, mas da versão latina da Bíblia.

Condenando as Sociedades Bíblicas – Em 1846 e novamente em 1849 o Papa Pio IX declarou, oficialmente, que as sociedades bíblicas eram “enganosos inimigos” da ICR e da humanidade em geral. Por quê? Porque elas traduziram a Bíblia na língua do povo comum e as oferecem a todas as pessoas que desejarem possuí-la. No dia 03/09/2000, o Papa Pio IX foi beatificado. Esse é o último passo para a canonização.

Em 1864, Pio IX declarou, oficialmente, que a idéia de o povo ter liberdade de consciência e adoração era “insana”, “maligna”, “depravada” e “réproba”. Ele também declarou que os não-católicos que vivem em países católicos deveriam ser impedidos de praticar, publicamente, a sua religião. Em 1888, o Papa Leão XIII declarou que a liberdade de pensamento e de religião era errada.

Conforme a doutrina católica da Infalibilidade (do papa e da Igreja) essas declarações são infalíveis. Desse modo, jamais poderão ser invalidadas. Uma história que não é tão antiga; meus tetravós ainda eram vivos em 1864.

Adicionando a tradição à Escritura – A ICR declara, oficialmente, que a Tradição Católica tem a mesma autoridade da Bíblia.

É difícil definir a Tradição. O Catecismo da Igreja Católica diz que ela é o conjunto de expressões de adoração e crenças do povo católico. Mas o que significa isso? As crenças religiosas dos católicos modernos são muito diferentes das crenças dos católicos da Idade Média. (Vocês conhecem alguns católicos usando relíquias, a fim de exorcizar demônios ou pagando indulgências para retirar algum ente amado do purgatório?). Mesmo assim, a definição católica de Tradição engloba todas essas crenças e práticas.

Vamos resumir o que acontece aos modernos católicos americanos. Conheço católicos que acreditam, piamente, que se usarem o escapulário marrom o tempo inteiro (até mesmo no banho), isso os levará ao céu. Por outro lado, sei de outros católicos que acham isso uma superstição tola. Usar as piedosas práticas do povo católico como padrão é o mesmo que medir as coisas com uma fita elástica. Jesus censurou os fariseus porque eles colocavam a tradição acima da Escritura, dizendo que eles anulavam a Palavra de Deus por causa da tradição:
“Em vão, porém, me honram, Ensinando doutrinas que são mandamentos de homens. Porque, deixando o mandamento de Deus, retendes a tradição dos homens; como o lavar dos jarros e dos copos; e fazeis muitas outras coisas semelhantes a estas. E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição” (Marcos 7:7-9). “Invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas” (Marcos 7:13). “Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim. Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens” (Mateus 15:8-9).

O Apóstolo Paulo também não tinha muita consideração pelas tradições humanas. Ele admoestou os cristãos do seu tempo: “Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo” (Colossenses 2:8).

Proibindo as pessoas de interpretarem a Bíblia sozinhas – Conforme o Catecismo da Igreja Católica, os católicos são obrigados a aceitar a maneira como os bispos interpretam as passagens da Escritura, devendo aceitar esses ensinos “com docilidade”, como se procedessem do próprio Senhor Jesus Cristo. Em outras palavras, não lhes é permitido crer no que lêem na Bíblia, sem antes conferir com a ICR. Não lhes é permitido usar o próprio julgamento nem seguir a própria consciência. São obrigados a crer em tudo que os bispos ensinam, sem questionar coisa alguma. Tal atitude é exemplificada pela declaração feita pelo Cardeal Hosius, no Concílio de Trento (1545-1564 - ainda em pleno vigor). Ele escreveu que, fora da autoridade da ICR, a Bíblia não deveria ter mais importância do que as fábulas de Esopo.

Os Livros Apócrifos – Os Apócrifos são livros acoplados às Bíblias católicas, mas não às protestantes. Eles nunca fizeram parte da Bíblia hebraica, pois os judeus jamais os consideraram canônicos. Em 1548, o Concílio de Trento declarou que os Apócrifos são canônicos e amaldiçoou qualquer pessoa que pensar de outro modo.

Jesus e os apóstolos citaram centenas de vezes o VT, porém jamais trataram os Apócrifos como autoridade. Os próprios Apócrifos jamais admitiram ser a Palavra de Deus. Os livros de Tobias e Judite contêm sérias inverdades históricas.

[Nota da Tradutora: Aqui a autora faz um resumo do Livro de Tobias, que achei por bem não traduzir e aconselho aos leitores a leitura integral desse livro, onde irão encontrar uma boa porcentagem de misticismo e inverdades].

Isso parece Escritura inspirada? Será que esse livro revela o caráter e a natureza de Deus e Sua maneira de lidar com o Seu povo? Este livro inspiraria alguém a conhecer melhor o nosso Deus? Ele dá algum tipo de força e coragem para alguém se tornar um cristão fiel? Se esse livro fosse anexado à nossa Bíblia, será que ele iria aumentar a nossa confiança nela? Ele poderia ajudar a crer na inerrância e autoridade da Escritura? Será que ele aumentaria o nosso desejo de ler a Bíblia?

A ICR e a Bíblia – Foi Deus quem nos deu a Bíblia... Não a ICR! Esta tem agido sempre de maneira dobre com relação à Bíblia. Por um lado, os monges católicos ajudaram a conservá-la, quando a copiaram na Idade Média. Por outro lado, a ICR conservou a Bíblia em Latim e ainda mandava queimar os eruditos que a traduziam para a língua do povo comum. Além disso, ela acrescentou os livros Apócrifos à Bíblia.

Conforme o Catecismo da Igreja Católica, os católicos não podem interpretar a Bíblia sozinhos, devendo aceitar “com docilidade” tudo que os seus bispos lhes disserem. Desse modo, a ICR trata a Bíblia como se ela fosse perigosa demais para o povo comum, exigindo que sua interpretação passe pelo crivo das doutrinas e explicações oficiais da ICR.

A Bíblia é um tesouro de inestimável valor – Moro na América, onde as Bíblias são abundantes e baratas. É fácil consegui-las de graça. Contudo, no exato momento em que você está lendo este capítulo, existem cristãos arriscando suas vidas para levar a Bíblia às pessoas. O Ministério Portas Abertas tem intermediários que se arriscam, diariamente, a fim de contrabandear Bíblias para dentro dos países onde os cristãos são perseguidos. Recentemente eu soube de um homem que foi condenado à morte por ter dado a Bíblia a um muçulmano.

Homens e mulheres custearam, com o próprio sangue, a possibilidade de termos a Bíblia hoje em nossas mãos. William Tyndale foi queimado na estaca por tê-la traduzido para o Inglês. Homens foram queimados na estaca por terem ensinado aos filhos a Oração do Senhor (O Pai Nosso) em Inglês. Homens e mulheres foram queimados na estaca por possuírem uma tradução inglesa da Bíblia. Jamais poderemos avaliar o preço que foi pago para que tivéssemos a Bíblia em nossa língua materna e, hoje em dia, podermos lê-la sem temor algum.

Aqui está o que dizem os Salmos sobre a Bíblia. Quando você ler os termos: “A lei do Senhor”, “O testemunho do Senhor”, “Os julgamentos do Senhor”, lembre-se de que esses são termos do VT para a Palavra de Deus escrita.

Que Deus nos dê esse tipo de paixão pela Sua Palavra. Vejam quanto amor, lealdade e gratidão nas seguintes passagens da Escritura:

Salmo 19:7-11: “A lei do SENHOR é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é fiel, e dá sabedoria aos símplices. Os preceitos do SENHOR são retos e alegram o coração; o mandamento do SENHOR é puro, e ilumina os olhos. O temor do SENHOR é limpo, e permanece eternamente; os juízos do SENHOR são verdadeiros e justos juntamente. Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos. Também por eles é admoestado o teu servo; e em os guardar há grande recompensa”.

Salmo 1:1-3: “BEM-AVENTURADO o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará.”

Salmo 119:9-16: “Com que purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra. Com todo o meu coração te busquei; não me deixes desviar dos teus mandamentos. Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti. Bendito és tu, ó SENHOR; ensina-me os teus estatutos. Com os meus lábios declarei todos os juízos da tua boca. Folguei tanto no caminho dos teus testemunhos, como em todas as riquezas. Meditarei nos teus preceitos, e terei respeito aos teus caminhos. Recrear-me-ei nos teus estatutos; não me esquecerei da tua palavra”.

Salmos 119:89-93: “Para sempre, ó SENHOR, a tua palavra permanece no céu. A tua fidelidade dura de geração em geração; tu firmaste a terra, e ela permanece firme. Eles continuam até ao dia de hoje, segundo as tuas ordenações; porque todos são teus servos. Se a tua lei não fora toda a minha recreação, há muito que pereceria na minha aflição. Nunca me esquecerei dos teus preceitos; pois por eles me tens vivificado”.

Salmo 119:165: “Muita paz têm os que amam a tua lei, e para eles não há tropeço”.

Conforme a Concordância Strong, a palavra “tropeço”, no Salmo 119:165, significa impedimento ou pedra de tropeço. É algo que arruína as pessoas e as leva a cair. Então, conforme esse verso, quando amamos a Palavra de Deus, ela nos traz paz e nos protege da tentação e da destruição.

A Bíblia é, sem dúvida, um tesouro de valor inestimável!

Aplicação Prática – Todos nós devemos ser gratos a Deus porque Ele nos deu a Bíblia. Devemos também ser gratos aos homens heróicos que a tornaram disponível em nossa língua.

Quem desejar fazer uma coisa prática para demonstrar a sua gratidão a Deus, que ajude o Ministério Portas Abertas a distribuir Bíblias aos cristãos perseguidos (Hoje em dia estão acontecendo mais perseguições do que se possa imaginar). Quem desejar entrar em contato com o Ministério Portas Abertas, use o endereço eletrônico: http://www.portasabertas.org.br.

Você pode orar pelos irmãos perseguidos em Cristo e pedir que Deus os ajude a conseguir Bíblias. Em alguns países existem pastores que jamais tiveram uma Bíblia na mão. Existem heróicos mártires modernos que conhecem apenas alguns versos da Escritura e talvez apenas um hino ou cântico de adoração.

(www.opendoorsusa.org)

Tradução: Mary Schultze (www.cpr.org.br)

ACONTECEU E FOI BOM

Hoje voltamos de uma programação com a galera, num bairro aqui de Machado. Sabe como é, passar um filme legal aproveitando a noite de sábado. Por incrível que pareça, ainda vemos a intolerência agindo em muitos lugares do nosso Brasil. Tem uma praça em frente a uma igreja católica do bairro, onde pretendíamos passar o nosso filme, quando fomos informados de que iam chamar a POLÍCIA para nós, se não tirássemos as cadeiras, em frente da igreja católica, praça pública, onde cremos, seja um lugar livre. Infelizmente, as pessoas estão tão armadas, que embora dizem não ter nada contra os evangélicos, nos vêem como inimigos. Só queríamos aproveitar o lugar espaçoso para passar um filme. Esse mundo tá difícil. Hoje em dia não se pode fazer nada sem tirar um alvará. Pode ser o lugar mais deserto, tá loco!!!!!

sexta-feira, outubro 24

NÃO É INTERESSANTE?

NOTAS ARQUEOLÓGICAS
- No Museu Britânico, em Londres, há um sinete cilíndrico que foi chamado de "A Tentação"; nele duas figuras vestidas estão sentadas uma em frente da outra e, da cabeça de uma das figuras, saem cornos em forma de antenas; entre ambas há uma árvore estilizada, com galhos, e aos pés do tronco há uma serpente, em contorções. Por que "A Tentação"? Ter-se-ia pensado na tentação no paraíso, quando se deu o nome àquele sinete cilíndrico? Tal conotação careceria de todo sentido, já que este sinete cilíndrico é bem mais antigo do que o Primeiro Livro de Moisés. "O Sinete de Adão e Eva" foi achado, em 1932, em Tepe Gawra, perto de Nínive, por Speiser, que o datou de cerca de 3500 a.C. mostra uma homem e uma mulher nus, andando curvados, parecendo acabrunhados, e seguidos de uma serpente.

quarta-feira, outubro 22

O COFRINHO


CERTA NOITE,, uma família de um país na Améria do Sul foi acordada pelo latido do cachorro de estimação. Eles levantaram imediatamente, pois sabiam que guerilheiros estavam escondidos perto da vila onde moravam. Na noite anterior, alguns guerriheiros tinham obrigado a família a entregar todo o dinheiro. Apavoradas as rianças agarraram-se aos pais.
Houve uma violenta batida na porta, e vozes grosseiras gritaram: "Abra a porta"! O pai abriu. Os quatro homens de cara fechada entraram. Eles seguraram o pai e o filho mais velho e os colocaram na parede e ordenaram:" Entreguem o dinheiro"! O pai respondeu:"Todo o nosso dinheiro já foi levado". - "Então vamos atirar em todos vocês"!, o líder ameaçou com sangue frio.
Uma das filhas mais novas se aproximou dele e disse:"Espere um momento, eu vou buscar o meu cofrinho". E correu apressadamente para o quarto. Antes que o líder dos guerrilheiros percebesse o que estava acontecendo, ela voltou com umas poucas moedinhas que as colocou na mão dele. Houce silêncio por um momento... Aquele homem se curvou e beijou a menina.
Sem dizer uma palavra, os homens deixaram a casa. Quando a porta se fechou, a família inteira se ajoelhou e o pai agradeceu a DEUS por sua maravilhosa proteção. Deus tem incntáveis meios à sua disposição para realizar milagres. ELE usou uma criança para cumprir os seus planos para aquela família.
Amigo leitor, Deus se revela até nas coisas mais simples e insignificantes, ao que só o olhar atento pode perceber e aceitar. Quem não se tornar como uma criança, jamais poderá ver o reino de Deus. Avalie a disposição e o corção de uma criança e verá quanta verdade existe nesta declaração de Jesus.

A QUEM POSSA INTERESSAR....

Eu não sei rebater muito bem as acusações e críticas feitas ao cristianismo e muito menos a alguns de seus seguidores, mas, uma coisa eu sei, havia um homem em nosso bairro, que dominado pelo vício da bebida, vivia caído nas sarjetas da cidade. Este homem encontrou-se com Jesus Cristo e sua vida foi completamente mudada. Há alguns anos passados, nos mostrou com alegria, a sua última aquisição um aparelho de dvd e sua casinha, construída com tanto carinho, por ele próprio. Sua vida foi resgatada da destruição. Ele é um exemplo vivo de que Jesus Cristo não é fantasia ou invenção de mentes doentias. Jesus é real. Transformou a vida deste irmão e tem transformado a minha. E temos também o testemunho poderoso da Palavra de Deus a respeito de Cristo, que se fez carne e habitou entre nós... Esta verdade ninguém jamais poderá mudar, pois, como homens mortais, querem explicar o imortal?

terça-feira, outubro 21

A Biblía condena o homoxessualismo, o que você acha disso?

Este é um assunto muito sério, pois está tratando da salvação de uma pessoa por quem Jesus morreu. Respondendo a pergunta: Deus através da Bíblia sempre tenta salvar. Muitos a lêem com outros olhos. Jesus disse para a mulher: "Vai e não peques mais." Jesus não discriminou, mas também não aprovou (João 8:11). Disse para ela mudar de vida e ela mudou e foi salva. A Bíblia fala sobre GLS:

LÉSBICAS
Romanos 1:26 - "Por causa disso os entregou Deus a paixões infames, porque até as suas mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas, por outro contrário à natureza;"

GAYS
Romanos 1:27 - "semelhantemente os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo em si mesmos a merecida punição do seu erro."

SIMPATIZANTES
Romanos 1:32 - Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais cousas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem."

Acrescento que, "todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo". Se houver algum ser humano que está trilhando este caminho e sente que não está correto, peça socorro à Deus, pois há um poder muito maior do que você que virá em seu socorro. Deus quer te salvar também. Para Ele nada é impossível. Jesus te ama e não te discriminará. Você também é uma criatura de Deus.

http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20060930104857AAxbUz1

EU SOU HETEROSSEXUAL

Deus entregou tais homens

A queles que conseguem lembrar dos anos 50 sabem que a sociedade tem passado por uma transição moral radical. Liderado pelos meios de comunicação de massa, agora há uma aceitação quase da maioria de coisas que nem eram discutidas publicamente em 1950. Leia Romanos 1:24-32–

“Por isso, Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si; pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém! Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro. E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes, cheios de toda injustiça, malícia, avareza e maldade; possuídos de inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade; sendo difamadores, caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais, insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia. Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem.”

Chega um ponto quando a sociedade falha em fornecer uma fundação moral, boa o suficiente para dar aos seus filhos uma chance de serem cidadãos justos. Não é o suficiente abster-se de “tais coisas”, principalmente se aprovam os que assim procedem. A única esperança da nossa sociedade é para os homens justos em todo lugar tomarem um posição e falarem contra todas as formas de imoralidade e injustiça. Se isso não acontecer, temos toda razão para acreditar que Deus irá nos entregar. Se Romanos 1:24-32 não comunica isso, o que vai?

Aqueles do mundo freqüentemente reclamam sobre falhas morais de pessoas religiosas. O mundo parece ter um entendimento muito bom do padrão que Deus tem colocado pelo seu povo e a falha dos cristãos em manter aquele padrão traz inevitavelmente a repreensão sobre nosso Senhor.

A imoralidade pode levantar suas idéias entre o povo de Deus. Mas se levantar, o Senhor deu ao indivíduo errante e à igreja uma maneira de lidar com isso (1 Coríntios 5). Se cairmos no pecado devemos nos arrepender prontamente e lembrar das palavras de Efésios 5:3 – “Mas a impudicícia e toda sorte de impurezas ou cobiça nem sequer se nomeiem entre vós, como convém a santos.”

Muitos que se chamam de cristãos agora proclamam com orgulho sua participação em todos os tipos de perversões que nem eram conhecidas numa sociedade educada há trinta anos. Não-participantes freqüentemente se orgulham em sua liberalidade na aceitação daqueles que escolham estilos de vida “alternativos” (Romanos 1:32). Sexo antes do casamento e adultério raramente são denunciados fora da igreja, já que parecem ser pouca coisa em comparação com esses outros atos de imoralidade “vulgar.”

Considere seriamente Romanos 1:24-32 e pergunte a si mesmo: Deus entregou a nossa sociedade? Veja também 2 Pedro 2:9.

Nós entendemos o significado de seremos peregrinos e forasteiros (2 Pedro 2:11)? Pedro estava falando sobre a igreja quando disse, “Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1 Pedro 2:9).

Não há espaço para ceder aqui (1 Coríntios 6:9-11). Como indivíduos, devemos fugir da fornicação (1 Coríntios 6:18); e instituições religiosas que não ensinam toda a palavra de Deus sobre assuntos morais claramente não estão em comunhão com Deus (1 Coríntos 6:14 - 7:1).

Os cristãos não podem alegar serem perfeitos (1 João 1:8); mas não pode haver dúvida de que a igreja do Senhor é o único santuário de moralidade neste mundo de hoje. Os mundanos podem usar as exceções, mas é exatamente isso que são – exceções aos modelos de honra e virtude.

Em contraste completo com as tendências deste mundo, “Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus” (Mateus 5:16).

–por David B. Brown
http://www.estudosdabiblia.net/2004421.htm

quinta-feira, outubro 9

NÃO IMPORTA




NÃO IMPORTA...

O que os ateus digam;
O que as opiniões humanas deixem escapar;
O que as ondas científicas queiram nos empurrar;
Ou o que diga um escritor medíocre qualquer;

O que realmente importa, é que conhecemos a Deus e somos por Ele conhecidos. Seu autógrafo tem sido deixado na natureza desde a sua criação. Seus dedos estão na forma inteligente, maravilhosa e perfeita em que o homem foi criado e muito mais no seu constante cuidado para com o ser humano. Deus está presente em nossa vida dia após dia e isso nos basta.

A VIDA...





A vida é um ciclo interminável de vaidades. Imperfeições que acumuladas numa balança entre o bem e o mal, ficará sempre em desnível para o lado da maldade. Somos um poço contaminado pelo vírus do pecado, e essa água começamos a beber no Éden. O único antídoto é o sangue de Jesus, que nos purifica eficientemente, além de qualquer pensamento humano. Não é o budismo ou qualquer filosofia humanista que poderá neutralizar o efeito do pecado destruidor sobre nós. Só JESUS tem o poder de perdoar pecado. Acredite ou não, JESUS é a única ponte para o Pai e um dia ela simplesmente será suspensa do abismo, para sempre. Hoje é a sua oportunidade para uma reconciliação com Deus. Apresse seus passos. Jesus está voltando!

QUANTO PESA UMA ORAÇÃO

Quanto pesa uma oração?
O único homem de quem já ouvi falar que procurasse pesar uma oração, continua até hoje sem saber quanto pesa.

Houve um tempo quando ele pensou que sabia , foi quando ele tinha um pequeno armazém num bairro da cidade. Faltava uma semana para o Natal, depois da primeira grande guerra. Uma mulher de aspecto de cansada, entrou no armazém e pediu gêneros suficientes para fazer um jantar de natal para seus filhos. O dono perguntou quanto ela podia gastar.
Respondeu ela: "Meu marido não voltou. Não tenho nada para oferecer a não ser uma pequena oração".
Esse homem confessa que naquele tempo ele não era muito sentimentalista. Uma mercearia não podia funcionar como uma fila de pão.
Então ele disse:"Escreva sua oração no papel", e foi tratando de seu serviço.
Para surpresa do merceeiro, a mulher tirou do seio um pedaço de papel e lhe entregou.
O dono do armazém tomou o papel antes de poder refazer-se da surpresa, logo se arrependeu, pois que podia fazer com ele? E que podia dizer?
De repente teve uma idéia. Sem ler a oração, colocou o papel no prato dos pesos"Vamos ver quanto vale em, gêneros".
Para espanto seu, quando pôs um pão de forma do outro lado, a balança não abaixou. Para sua confusão e embaraço, não abaixava embora ele continuasse colocando gêneros, tudo que lhe vinha à mão, pois outras freguesas estavm olhando. Procurou mostrar-se mal humorado, mas não se estava arranjando nada bem. O rosto foi ficando vermelho, e ele ficava nervoso com o caso.
Por fim disse:"Bem, o prato não cabe mais nada. Aqui uma sacola: só a senhora arrumando: eu estou muito ocupado".
Com um suspiro e leve soluço, ela tomou a sacola e começou a enfiar os gêneros, enxugando os olhos na manga do vestido cada vez que o braço ficava livre para poder fazê-lo. O dono da loja fez o possível para não olhar, mas não pôde deixar de observar que tinha dado uma sacola meio grande e que não ficou bem cheia. Então empurrou um bom queijo pelo balcão afora para onde estava a mulher, mas não disse nada, nem viu o tímido sorriso de grata compreensão que brilhou em seus olhos úmidos com essa denúncia do aspecto exterior emburrado do merceeiro.
Depois que a mulher saiu, ele foi examinar a balança, coçando a cabeça e sacudindo-a intrigado. Então descobriu a solução: a balança estava quebrada.
Mas com o passar dos anos ele meditou muitas vezes no caso e ficava imaginando se era realmente essa a explicação. Por que a mulher tinha a oração já escrita para satisfazer sua exigência inesperada: Porque ela entrou na hora exata em que a balança tinha quebrado? Que foi que o confundiu de modo que não se lembrou de verificar na hora, mas foi pondo gêneros e mais gêneros, só com um pedaço de papel no prato dos pesos? Tinha-se sentido embaraçado e mal sabia o que fazia.
Bem, a fé é uma cousa engraçada mesmo. E a oração é uma coisa engraçada. E os milagres, afinal de contas, podem ser mistérios, uma vez que a intuição da fé escolhe a hora exata, quando a balança está quebrada. Pois a fé poderia transportar até mesmo montanhas, se nós escolhêssemos a hora antes do terremoto para orar para tirá-las do caminho!
Aquele dono de armazém está velho agora. Tem a cabeça branca, mas ainda costuma coçá-la no mesmo lugarzinho e sacudi-la para um lado e para o outro com a mesma expressão de intrigado. Nunca mais viu aquela mulher. E por falar nisso, antes também nunca a tinha visto. Mas durante o resto da vida ele se lembrava dela, melhor do que de qualquer outra mulher no mundo e nela pensava com maior frequência.
Um cousa ele sabia: que não foi sonho nem imaginação, pois ele guardava ainda a tira de pael em que estava escrita a oração daquela mulher: "Por favor, Senhor, dá-nos hoje o pão nosso de cada dia".
José Sadony
Mensagem da Cruz - Jan Fev de 1966
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

FIQUE POR DENTRO